top of page

MOOCHACHO MAGAZINE

A história do Punk na Califa

A música é um elemento importante pra gente. Desde quando levávamos um cubo de guitarra nos eventos de truck pra tocarmos no nosso espaço o som que curtíamos, a playlist do Moochacho se tornou um símbolo e passou a ser ouvida por muita gente na loja ou em qualquer lugar, direto do Spotify. 🎸

Tem muita coisa lá (inclusive várias bandas locais legais de amigos e parceiros), mas dá pra dizer que mais de 90% gravita entre ska/hardcore/punk rock e fica a cargo de bandas da Califa - entre protagonistas e outras pérolas de "menor expressão" que ajudaram a dar corpo à cena.

Bora conhecer um pouco mais dessa história ao longo dos anos? Então se liga que encontramos esse artigo bem completo e traduzimos pra vocês aprenderem junto com a gente.

L.A. NOS 70

As raízes do punk Californiano podem ser traçadas a partir dos anos de 1976-1977. Influenciada pela energia crua dos Ramones, os New York Dolls, os Sex Pistols e o The Clash, a primeira onda de bandas Californianas emergiu de uma cena vibrante de glam rock do início dos anos 70, seguindo Nova York e Londres.

Na florescente cena de Los Angeles, X, The Dickies e outras pioneiras do hardcore como Black Flag e The Germs foram formadas, só para nomear algumas.

The Germs, liderada pelo frontman insano Darby Crash e incluindo o futuro guitarrista do Foo Fighters Pat Smear, lançou o seu single de estreia 'Forming / Sexyboy' em 1977, considerado por muitos como o primeiro de punk de LA.

ENQUANTO ISSO EM SAN FRANCISCO

Uma cena mais experimental (mas não menos vibrante) estava crescendo em San Francisco com bandas como os The Nuns, Avengers, The Mutants e Flipper, algumas mixando o poder do punk com influências de new wave e synth rock.

Os filhos mais famosos dessa cena, sem sombra de dúvidas, foram os Dead Kennedys, que se juntaram em 1978 para lançar um mix de hardcore, punk artístico e po´lítico, com os inconfundíveis vocais de Jellio Biafra e a guitarra de East Bay Ray. O álbum de estreia 'Fresh Fruit For Rotting Vegetables' (1980) é um dos discos mais influentes na história do punk Californiano.

INJEÇÃO DE REBELDIA

De 1979 a 1971 a antiga cena mais glam foi aos poucos sendo substituída por uma mais agressiva (e às vezes violenta): o hardcore.

As cenas de Orange County e San Diego eram particularmente tensas, com a polícia regularmente marcando ponto nos shows. O documentário 'Juventude Decadente'(1981) de Penelope Spheeris retrata essa mudança e conta com gravações ao vivo de bandas de hardcore populares em LA como os já citados Black Flag, The Germs e X.

Em 1981 o Chefe de Polícia da cidade barrou a exibição da obra em LA. Toda a aura de censura ajudou a transformá-lo em um clássico cult e a impulsionar a cena até a metade dos 80, com o surgimento de bandas como Minutemen, TSOL e os Descendents, atraindo uma legião de fãs.

Com Ronald Reagan na Casa Branca, muitas bandas passaram a focar em letras e imagética política. A partir deste ponto as bandas de hardcore também começaram a diversificar o som, incorporando influências como o garage rock (Angry Samoans), surf rock (Agent Orange) e metal (Suicidal Tendencies).

Banda Descendents nos anos 80, com os 4 integrantes sentados em uma escada
A banda Descendents nos anos 80.

ALIVIANDO A BARRA

As bandas de meados dos anos 80 como os Descendents e The Vandals começaram a abrir os caminhos para o "punk pop", que começou a pipocar no final dos anos 80 na área de San Francisco e parte norte da California.

Uma mistura de energia e melodias contagiantes, o som começou a ser tocado por bandas amantes de Ramones da área, como The Mr. T Experience, Crimpshrine, The Groovie Ghoulies e muitas outras, com letras mais focadas em garotas e diversão do que em política, como as primeiras bandas (muitas das quais, inclusive, já haviam se separado por esta época).

DO WHAT YOU WANT

A lenda de LA, Bad Religion, também lançou nesse período seu álbum 'Suffer' em 1988, considerado até hoje pelos fãs do punk como um dos maiores álbuns americanos dos anos 80, que influenciou uma série de bandas que vieram na sequência. O Fat Mike (vocalista do NOFX) já chamou a obra de "o álbum que mudou tudo".

UM PÉ NOS 90

Assim como esses atos de pop punk, no início dos anos 90 bandas como AFI, American Steel, Samiam, Jawbreaker e Operation Ivy (estrelando um Tim Armstrong pré-Rancid tocando ska punk) também estavam levando à loucura as multidões locais.

No centro da cena florescente da Bay Area estava a Lookout! Records na Rua Gilman, 924, gravadora independente que se recusava a fechar com bandas vinculadas a grandes gravadoras.

SKATE PUNK

Em LA e no sul da California, bandas como Guttermouth estavam ganhando destaque puxando o crescimento do skate punk, junto a bandas como Strung Out, Lagwagon, No Use For a Name, Ten Foot Pole e Pennywise. A Fat Wreck Chords, de propriedade do Fat Mike do NOFX, estava no centro deste punk acelerado, mas melódico.

MTV, ESTAMOS AQUI

Seguindo o acordo do Social Distortion com uma gravadora grande e o álbum auto-intitulado em 1990, com um mix de punk e rockabilly, um trio de punk de Berkeley, em San Francisco, explodiria no mainstream.

Deixando suas raízes nas garagens da Rua Gilman, o Green Day assinou com a Reprise Records (irritando alguns de seus primeiros fãs, que os acusavam de 'se venderem') e lançaram o álbum de estreia 'Dookie' em 1994. Singles como 'Basket Case' e 'When I Come Around' os tornaram a maior banda de punk do mundo, tocando por todas as rádios e, é claro, na MTV. 📺

Alguns meses depois, a The Offspring de Orange County desfrutou um sucesso similar com o seu terceiro álbum 'Smash', mas desta vez ele foi lançado por um selo independente - Epitaph Records, de propriedade do guitarrista do Bad Religion Brett Gurewitz. 'Smash' bateu na época o recorde de álbum independente mais vendido de todos os tempos, sendo certificado como multi-platina.

A EXPLOSÃO DO PUNK

Com a exposição do punk Californiano, bandas como Bad Religion ('Stranger Than Fiction'), NOFX ('Punk in Drublic') e Rancid ('...And Out Come the Wolves') viram seus álbuns dos anos 90 serem premiados e asseguraram a posição da Epitaph Records como o maior selo independente dos Estados Unidos.

Com a cena atingindo popularidade no mainstream em sua febre de meados dos 90, bandas de ska punk como Sublime, Goldfinger, Reel Big Fish e No Doubt, bem como os punk'n'rollers de San Diego Rocket From the Crypt e outras bandas como Face to Face e The Aquabats experimentaram o sucesso.

A PRÓXIMA ONDA

A onda seguinte explodiu no final dos anos 90, com um trio nada ortodoxo de San Diego. Os "gozadores" do Blink-182 tomaram a cena de assalto com seu terceiro álbum 'Enema of the State' vendendo mais de 12 milhões de discos ao redor do mundo. Com uma pegada bem humorada nos clipes e um som viciante, Mark, Tom e Travis eram "apenas" três amigos em uma montanha russa rumo ao estrelato. 🎢🤩

Eles lançaram mais dois álbuns antes de se separarem em 2005, com Mark e Travis formando a banda de pop punk +44 e Tom se arriscando em uma pegada mais rock na Angels and Airwaves.

OS 00's

Bandas como The Ataris, misturando emo e pop punk, se tornaram populares no início dos anos 2000 e a Hellcat Records (de propriedade do leadman do Rancid, Tim Armstrong e fundada em 1997) se tornou o núcleo para uma nova onda de amantes old school do punk rock Californiano.

Bandas como a Transplants (com membros do Rancid e Blink-182), os Distillers, F-minus, Lars Frederiksen e a Bastards foram só algumas bandas californianas, em meio a várias outras dos Estados Unidos e de fora, que ajudaram a Hellcat a desenvolver uma nova base dedicada de fãs dos moicanos.

A NOVA GERAÇÃO

Para aqueles que pensam que o punk morreu ou vive de passado é bom se informar. Enquanto membros da "velha guarda", como o Green Day, continuam arrastando multidões em grandes festivais e pipocam promessas de retornos aguardados (como uma reunião do Blink), bandas como The Interruptors, Special C, Skeleton Bay e outras espalhadas pelo mundo como Flatliners e os nossos queridos amigos do Abraskadabra (de Curitiba) e da Oyster (daqui de Floripa) que mantêm a essência do punk Californiano viva.

QUER OUVIR ESSAS E MUITAS OUTRAS?

Então segue e ouve muito a nossa playlist no Spotify ou dá aquela passada na loja da Trindade pra mandar o Burrito California mais querido de Floripa curtindo a melhor trilha sonora da cidade.🤘🏼🔥


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page